Olhares Podcast | Empoderamento é mesmo importante?
57
post-template-default,single,single-post,postid-57,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
a

Empoderamento é mesmo importante?

Aquele processo construtivo que acende uma chama dentro de você.

Certamente você já leu essa palavra: empoderamento. Seja nos movimentos feministas, seja na questão de identidade, seja nas brigas sociais… seja dentro de você. O empoderamento está diretamente ligado ao autoconhecimento, à percepção de mundo e de, claro, poder.

Esse poder pode ser aquele que você exerce sobre si, e também que os outros exercem sobre você.

Arte de Natalia Matos  http://natalia-matos.tumblr.com/

Há 2 perguntas que ajudam no empoderamento: por que não? por que sim. Há outras que complementam: eu gosto disso? eu mereço isso? eu posso? eu devo?

O primeiro processo de autoconhecimento inicia quando você decide o que fazer com o seu próprio corpo: se você pode usar seu cabelo como quiser — liso, enrolado, crespo, vestir o que quiser, depilar ou não, ser gorda, magra, ou nem fazer questão disso, fazer tratamento estético, pintar a unha ou não, usar maquiagem, tanto faz. Você pode decidir sobre o seu período menstrual, se vai tomar remédio para cortar o ciclo, se vai usar absorvente, se vai usar anticoncepcional, se vai fazer tratamento pra engravidar, se vai ter o filho sozinha.

Pode parecer simples para você, mas já se perguntou quantas medidas são impostas pela sociedade para que a mulher esteja sempre linda, delicada, feminina, “bem cuidada” — deixou de ser uma questão de saúde, para ser uma questão estética. E a questão estética, meus caros, essa sim é controlada pelos outros, não por você.

Se é controlada por você, ótimo.

Arte de Natalia Matos http://natalia-matos.tumblr.com/

A segunda parte do empoderamento vem com a segunda bateria de perguntas: eu devo? eu posso? eu mereço? eu gosto?

Quantas vezes deixamos de fazer coisas porque “não devemos”? Quantas vezes deixamos de lutar por algo que trabalhamos tanto, porque “não merecemos”? Quantas vezes nos comportamos de outra forma “porque não devemos”? Quantas vezes nos abstemos de algo porque não ousamos dizer que gostamos de algo? Quantas vezes deixamos de amar alguém?

Então, eu te digo. Toda vez que alguém perguntar o motivo de um hábito, comportamento ou opinião sua, tente responder: “por que você quer saber?” ou apenas diga: “porque eu quero/gosto/sou assim”.

Seja livre. Domine-se. Conheça seu interior. Estude, trabalhe, informe-se, seja quem você quiser. Alcance seus objetivos, que sejam grandes. Tenha filhos se desejar, mas se não for da sua vontade, não tenha. Acorde todos os dias se sentindo ótima, se sentindo linda — e se seus hormônios não deixarem, faça uma caminhada, vá ao parque e contorne a situação. Permita-se sentir triste, mas tente levar a vida numa boa. Faça quantos amigos quiser. Coma o que quiser. Arrume-se e vista-se como quiser. Ame verdadeiramente. Ria de si mesma. Frustre-se, mas construa novas pontes, vá por outros caminhos.

O maior poder de uma mulher está nela mesma, cabe a nós darmos as armas para que elas se lembrem como lutar; e a maior arma para uma mulher é a informação, e seu escudo tem que ser a sororidade.

Lembre-se: você pode ser sua maior heroína.

Arte de Natalia Matos http://natalia-matos.tumblr.com/