Olhares Podcast | Ep #020 Masculinidades
732
post-template-default,single,single-post,postid-732,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
Olhares ep 20 masculinidades

Ep #020 Masculinidades

Se preferir, clique aqui para baixar o Episódio

Dentro do estudo do feminismo também queremos falar sobre os homens. Atualmente o estudo sobre a masculinidade é um campo de estudos “de todos e de ninguém”, ou seja, as abordagens mais férteis do assunto são realizadas tomando em conta um estudo interdisciplinar, o que simultaneamente torna tais estudos mais complexos e aprofundados, o que é muito bom! Nesse episódio falamos a importância de estudarmos e falarmos sobre masculinidades, especialmente sobre as masculinidades tóxicas.

É possível que homens sejam a favor do feminismo? Vem conferir!

Nossos convidados

Welliton Caixeta –  Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de Brasília (PPG-SOL/UnB), na linha de pesquisa “Violência, Segurança e Cidadania”, com período de estágio doutoral no Centre de Recherches Sociologiques sur le Droit et les Institutions Pénales (CESDIP/CNRS), de Paris. Possui mestrado em Antropologia, graduação em Sociologia e Antropologia pela UnB, e em Direito pela UDF. Professor substituto de Direito Penal (2015) e professor voluntário de Antropologia do Direito (Atualização e Prática em Direito 1 e 2) (2016-2017), na Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (UnB). Professor de Direito, Sociologia e Ciência Política, na Escola de Ciências Jurídicas e Sociais e na Escola de Negócios, do Centro Universitário e Faculdades Projeção (UniProjeção). Pesquisador do Núcleo de Estudos sobre Violência e Segurança, da Universidade de Brasília (NEVIS/UnB) e do Grupo Candango de Criminologia, da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (GCCrim/FD/UnB). Membro fundador do Fórum Latino-Americano de Antropologia do Direito (FLAD) e da Associação de Advogadxs pela Igualdade de Gênero, Raça e Etnia (AAIGRE). Seus interesses de pesquisa atuais têm se concentrado nas questões relativas aos estudos sobre: violências, punição e controle, justiça e políticas públicas; com recorte nas questões de gênero, raciais, diversidade, dentre outros marcadores sociais.

Adriano Beiras –  Professor Adjunto do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFSC. É graduado e licenciado em Psicologia pela UFSC. Mestre em Psicologia por esta mesma instituição e Doutor em Psicologia Social pela Universidade Autônoma de Barcelona (UAB). Atua como Pesquisador do Núcleo de Pesquisas Margens (Modos de Vida, Família e Relações de Gênero) do Departamento de Psicologia da UFSC, do Núcleo de Pesquisa em Psicologia Jurídica (NPPJ), do Departamento de Psicologia da UFMG e do Grupo de Pesquisas VIPAT (Violencia en la Pareja y en el Trabajo) do Departamento de Psicologia Social da UAB, em Barcelona, Espanha. Tem experiência em diversos Projetos de Extensão Universitária e de Pesquisa, com ênfase em Psicologia Social, Jurídica, Comunitária e Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: gênero, família, mediação familiar, violências, masculinidades, saúde sexual e reprodutiva e sexualidades

Caleidoscópio

Assine o Olhares Podcast:

iTunes | Agregador para Android

Siga, curta, comente e compartilhe:

                                         

  • Marcus Vinicius Lima Martins

    Parabéns por mais esse excelente episódio.
    É uma pena que abordar esse assunto seja muitas vezes colocada na responsabilidade das mulheres o fazerem, tendo nós homens se isentando de discuti-lo.
    Os gays não querem falar sobre isso porque passaram por um processo de assimilação grande que acham que falar de relações sociais é ser comunista, logo deve ser negado. Os negros não querem porque acham q a única forma de viver em um mundo que o desumaniza é através da violência. Os brancos se utilizam da toxicidade masculinidade para mostrar um valor de hombridade.
    É bom ver que começa surgir uma abertura para isso, como o Wellinton, o Adriano e o Marcondes bem representaram no episódio. Destaco o Túlio Custódio que vem trazendo uma discussão sobre masculinidade negra https://www.facebook.com/LevanteNegro/videos/693008127576536/ e a tradução do Marcio Caparica para um texto do Michael Hobbes centrado na masculinidade gay http://ladobi.uol.com.br/2017/03/solidao-gay/

    • Obrigada Marcus pelo comentário! Ficamos muito felizes em chamar homens para abordar a questão da masculinidade, porque entendemos que também há espaço de fala nesse sentido! Obrigada também pelas indicações, pode deixar que vamos acessá-las com muito carinho!

  • programa lindo