Olhares Podcast | Ep #017 Precisamos falar sobre feminismo negro
686
post-template-default,single,single-post,postid-686,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
Feminismo negro

Ep #017 Precisamos falar sobre feminismo negro

Se preferir, clique aqui para baixar o Episódio

Dando continuidade aos movimentos sociais, não podemos deixar de falar sobre o feminismo negro! Em especial, para marcar o simbolismo do Dia da Consciência Negra (20/11). Neste episódio vamos falar sobre as demandas que vão para além do feminismo puro e simples, visibilizado pelo protagonismo de mulheres brancas. As mulheres negras estão militando por seus direitos há muitas eras, quando foi iniciada a busca pela igualdade no trabalho e condições dignas nestes ambientes, ou seja, desde o início da militância a respeito do feminismo. Mas por que não sabemos disso? A gente responde neste episódio! Que tal dar uma conferida?

Este episódio foi gravado em duas oportunidades, nas quais nossas conversas se complementaram, sendo uma no estúdio do Olhares e a outra, após o evento do Mulheres Digitais. Esse episódio faz parte da ação de #ativismonaweb dentro da Campanha internacional dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

**Mencionamos episódios anteriores que você pode conhecer mais: O que é feminismo? e Quem chegou primeiro, o Feminismo ou os Direitos Humanos?

 

Nossas convidadas

Gabriela Ewerton – Estudante de Serviço Social
Estela Sena – Estudante e ativista do Coletivo Super Nova
Joice Berth – arquiteta e urbanista, pesquisadora sobre questões raciais e gênero, colunista do portal Justificando.

Caleidoscópio

Assine o Olhares Podcast:

iTunes | Spotify | Agregador para Android | Deezer | Ubook

Siga, curta, comente e compartilhe:

                                         

  • Que programa… realmente muito bom mesmo…

    ainda sobre o PONTO G que foi indicado, gostaria de dizer que elas lançaram um programão sobre a DANDARA, que é uma mulher notavel entre as notáveis, e que temos pouquissima informação sobre ela… Alem é claro de fazer um (auto) jaba de um programa em que conversei com o João Bigon , baseado num texto foda da Suzane (https://medium.com/@suzanejardim/alguns-estereótipos-racistas-internacionais-c7c7bfe3dbf6) sobre os ESTERIÓTIPOS NEGROS, segue o link

    http://crentassos.com.br/blog/2017/05/teologia-de-boteco-esteriotipos-racistas-045.html

    • Pois é, coincidiu de lançamos este episódio e elas lançarem ao mesmo tempo o da Dandara, o que também vale conferir, porque ficou incrível!
      Vamos conferir os links indicados! Obrigada!

  • Olá a todos,

    Foi o primeiro episódio que escutei. Como homem, branco, cis, heterossexual (mesmo sendo assexual) a minha tendência de tornar-me um babaca é grande. É ótimo escutar este tipo de podcast e escutar outros pontos de vista e aprender bastante no processo e, quem sabe, tornar-me menos babaca.

    Só queria comentar que no meio da música erudita, o qual profissionalmente estou, além da área da filosofia, existe uma situação estranha sobre as mulheres. Nas universidades, no grupo de professores é bem dividido entre homens e mulheres, o que tem mudado nos alunos que adentram a universidade e esse mercado de trabalho, que tem piorado o conservadorismo da área.
    Infelizmente, tem poucos negros e menos ainda negras neste espaço.
    Tem uma colega minha, uma violoncelista incrível, que tem mais dificuldades mesmo de arrumar alunos por já ter um pré-julgamento devido a ela ser negra.

    Seria incrível e maravilhoso qualquer dia entrevistar a Djamila Ribeiro.

    Muito obrigado pelas reflexões trazidas no episódios.

    Tudo de bom a todas!

    Tiago de Lima Castro

    • Obrigada Thiago pelos seus comentários. De fato, a comunidade negra tem ocupado aos poucos áreas do conhecimento até então consideradas possíveis apenas pela camada mais privilegiada, e se consideramos que a área da música erudita é algo para muitas ainda inalcançável, fica mais fácil perceber o por quê do incômodo e do pré-julgamento.

  • Pingback: Olhares Podcast | Cadê as feministas? Fevereiro de 2018()